LOGO - COMUNIDADE ONE.png
podcast log fora da caixa13.png

Como a PORNOGRAFIA afeta o cérebro, faz bem ou faz mal?

É inegável que a internet veio para ajudar em nosso dia a dia. Entre essas facilidades está a possibilidade de, com poucos cliques, ter conteúdos variados. Mas, muitas vezes, sem nenhum filtro. Por isso, o acesso a material erótico nunca esteve tão fácil.

Como a PORNOGRAFIA afeta o cérebro, faz bem ou faz mal?
00:00 / 40:32
Logo Comunidade ONE - 2_edited_edited.png

Leia o EPISÓDIO

Transcrição do Episódio

(As transcrições dos episódios são publicadas diretamente do roteiro, sem revisão, podendo haver ainda erros ortográficos/gramaticais e, assim, pedimos que marquem os erros e deixem uma nota para que possamos corrigí-los)

Como a PORNOGRAFIA afeta o cérebro, faz bem ou faz mal?

Sejam bem vindos ao Podcast Relacionamento Fora da Caixa.

Sou Everton Especialista da Saúde e Bem-estar do Casal e este é um podcast para casais que pensam fora da caixa.

E se você gosta dos nossos conteúdos e se eles fazem a diferença na sua vida, no seu relacionamento, então seja um apoiador do Relacionamento Fora da Caixa. Apoie a partir de R$ 9,00 por mês e com isso você e nos ajuda a continuar a criar conteúdos para ajudar casais em todo mundo, que a revista saúde e bem-estar do casal continue gratuita e no programa espaço novo dia. E ao se tornar apoiador, você tem acesso a epsisódios exclusivos, livros e conselhos de especialistas.

Para apoiar, acesse o site especialista.site/areademembros ou pelo instagram institutommacademy

E neste episodio vamos falar Como a PORNOGRAFIA afeta o cérebro, faz bem ou faz mal?

Forte o tema de hoje né.

(chamar para curtir e seguir o podcast)

Sigam nosso Club Relacionamento Perfeito para que você sempre seja avisado/a sobre nossas salas.

Antes de começarmos o tema de hoje quero agradecer nossa audiência, que está presente em 46 países. (falar dos primeiros)

Bom, Vamos começar o nosso tema de hoje, Como a PORNOGRAFIA afeta o cérebro, faz bem ou faz mal?

O que eu quero colocar é a minha visão de especialista com base em estudos científicos.

Não vou entrar na questão da religião ou tabus.

Pra mim o conteúdos adultos fazem bem e também fazem mal para o seu relacionamento.

Como diz o ditado a diferença entre o remédio e o veneno é a dose.

É inegável que a internet veio para ajudar em nosso dia a dia. Entre essas facilidades está a possibilidade de, com poucos cliques, ter conteúdos variados. Mas, muitas vezes, sem nenhum filtro. Por isso, o acesso a material erótico nunca esteve tão fácil.

Eu me lembro quando era adolescente, ver um filme adulto ou uma revista só era possível quando pegávamos escondidos do pai ou dos irmãos.

E a internet facilitou e muito o acesso a esse conteúdo. Mas como tudo na nossa vida é preciso dosar para que não tenha um efeito negativo.

Pra que nós possamos entender os benefícios e os malefícios do conteúdo adulto, precisamos entender como isso funciona no nosso cérebro.

Um estudo publicado pela revista médica Psiquiatria JAMA revelou que as horas assistindo à pornografia conseguem afetar o volume da massa cinzenta cerebral na parte relacionada a emoção, desejo e recompensa.

Ouviram o que eu disse, horas e não minutos.

Vamos entender a Pornografia e Os Caminhos Neurais.
Todo hábito surge da criação de caminhos neurais. Quanto mais uma ação é repetida, maior fica essa ligação e mais fácil é para os processos de aprendizagem e memória.

Vamos entender o que controla nossa sexualidade.

Para entrar em estado de excitação basta sentir um estímulo que se associe a uma situação prazerosa guardada na memória.

O Sistema Límbico compreende todas as estruturas cerebrais que estejam relacionadas, principalmente, com comportamentos emocionais e sexuais, aprendizagem, memória, motivação, mas também com algumas respostas homeostáticas.
O sistema nervoso se excita em milésimos de segundo.
1 - Os estímulos chegam ao cérebro através dos cinco sentidos ou provocados pela imaginação
2 - O cérebro tem áreas específicas para receber esses estímulos
3 - Cada informação é buscada no arquivo de coisas agradáveis e desagradáveis guardadas no sistema límbico, região também ligada aos instintos.
4 - O córtex cerebral analisa o “relatório” do sistema límbico e toma (ou não) a decisão de liberar as substâncias que vão excitar o sistema nervoso.
Então, um vídeo pornográfico ativa o gatilho dessa trilha, ele consegue ativar sua libido, sua vontade de fazer sexo, claro para algumas pessoas. Lembrando que depende se a pessoa gosta do conteúdo.

Por ativar essas áreas cerebrais, o consumo frequente de pornografia acaba criando um hábito de excitação. Ou seja eu criei um hábito de que quando eu ver um conteúdo adulto vou me excitar.

O problema é quando o consumo é excessivo e acaba tornando cada vez mais necessária a busca por conteúdo erótico. Ou seja, sem ele a pessoa acaba não conseguindo se excitar.

Como Funciona o Processo esse processo no Cérebro

Primeiro vem o gatilho, que pode ser a vontade de fazer sexo com o parceiro ou parceira, cansaço, solidão, desejo e outros. Então temos 2 exemplos, consumir esse conteúdo a dois ou sozinho.

A partir disso, segue o ato de consumir material pornográfico, que é a rotina. Terminando pela recompensa, que seria o prazer causado ou orgasmo.

Quando um hábito é formado na mente, ele se torna muito difícil para quebrar. Ou seja se você atrelar sempre a necessidade de consumir conteúdo adulto para se excitar isso vai se tornar essencial e sem ele você terá dificuldade.

Nesse caso, o caminho neural fortalecido pela repetição, seguida da recompensa, gera um sistema semelhante ao vício.

Ou seja, a pornografia ativa a área cerebral conhecida como “centro de recompensa”, que é a mesma ativada ao utilizar substâncias ou fazer comportamentos viciantes.

Por isso, a longo prazo, a pornografia afeta o cérebro causando disfunções sexuais, como a dificuldade de atingir o orgasmo ou mesmo conseguir uma ereção apenas com o estímulo de um parceiro real, e isso, claro, afeta até mesmo a qualidade dos relacionamentos amorosos.

Mais uma vez eu falei AO LONGO PRAZO, ou seja, fica claro que o conteúdo adulto serve para facilitar a excitação, porém quando se passa do limite aceitável ele começa a fazer mal.

É a mesma coisa quando mulheres usam constantemente massageadores íntimos, ou vibradores para atingir o orgasmo, se isso se torna um vício, fica cada vez mais difícil ela conseguir atingir o orgasmo sem utiliza-los.

Outro ponto importante é que a indústria de conteúdo adulto apresenta mulheres e homens irreais. Tudo está ligado a uma fantasia erótica que é vendida. Então entender e saber diferencias fantasia da realidade é fundamental.

Se a pessoa não souber ter essa diferença, quando entrar em contato com seu companheiro ou companheira habitual, o cérebro continua a busca pela satisfação imediata trazida ao consumir imagens e filmes pornográficos.

E a pessoa pode se sentir frustrada por não ter algo igual ao que ela / ele vem consumindo. Fora que pode haver uma queda de autoestima, no caso do homem pelo tamanho do pênis ou da mulher, pelo tamanho dos seios, ou o resto do corpo.

Quanto mais uma pessoa consome um tipo de conteúdo adulto, mais o cérebro fica acostumado com aquelas cenas. Então, o efeito com o passar do tempo não é tão forte quanto foi na primeira vez.

Isso leva a uma busca por conteúdos diferentes, para gerar a mesma intensidade de desejo. Então, isso pode levar a procura por conteúdos não convencionais que abordem situações com esse tipo de temas e que podem, inclusive, influenciar na realidade.

Pra isso vamos ver o que são os Neurônios Espelho

Você já pensou o quanto a pornografia também se reflete fora das telas? Para entender isso, é preciso começar com o conceito de Neurônios Espelho.

Essa pequena parte do nosso cérebro é responsável pela nossa sobrevivência. Por isso, nossa tendência é espelhar o que um grupo de pessoas está fazendo.

Imagine como é útil para sobreviver durante um incêndio, por exemplo. Basta seguir a direção oposta de onde está o perigo, como todos estão fazendo.

E você deve estar se perguntando o que esses neurônios têm a ver com a pornografia, não é?
Nosso cérebro não consegue diferenciar uma imaginação da realidade. Por isso, ao pensar em um ato sexual, a mente acredita que está vivendo isso de verdade. Então, é mais fácil atingir o orgasmo com fantasias mentais.

Por isso que o quando estudamos o processo de excitação, tudo começa na cabeça.

O problema começa quando o cérebro busca a reprodução da imagem de um filme pornográfico na vida real. Isso leva a pessoa a querer essa mesma cena em sua realidade.

O que pode até mesmo acontecer com casos citados como violência, incesto e pedofilia.

Então, muitos cientistas explicam os efeitos da pornografia comparando com o abuso de substâncias. Isso acontece porque o cérebro responde ao estímulo sexual com a produção de dopamina, que é associada a antecipação de recompensas.

Esse neurotransmissor também influencia na memorização de informações. Ou seja, o caminho neural é criado para lembrar aonde ir para conseguir o mesmo tipo de prazer.

Quanto mais repetições, mais o cérebro vai buscar por essa sensação.

Mas, como vimos, a mente cansa das imagens anteriores e procura cada vez mais por situações novas e fora do comum para continuar gerando o mesmo surto de dopamina.

Com isso o conteúdo adulto também Interfere Nos Relacionamentos

Quanto mais uma pessoa consome pornografia, mais o cérebro precisará consumir para ter o mesmo tipo de prazer.

Então, quando os parceiros estão em uma relação sexual fora das telas, o organismo já não se sente tão estimulado, porque gravou os estereótipos e cenas que viu ao consumir o conteúdo erótico.
Aqui é possível entender porque a pornografia pode interferir até mesmo no relacionamento de um casal.

O material pornográfico gera caminhos neurais fortes no cérebro. A pessoa é capaz de lembrar por muitos anos das cenas vistas. Esse estímulo é tão intenso que dificilmente qualquer atividade pode ser mais interessante, mesmo o sexo real.

Isso é confirmado pelo Doutor Norman Doidge, pesquisador da Columbia University. Ele explica que as cenas pornográficas criam condições ideais para a liberação rápida e em grande quantidade de substâncias químicas que geram prazer, mas também causam mudanças duradouras na área cerebral.

Por isso, cenas pornográficas são gatilhos hiper estimulantes da liberação de dopamina. Então, essa repetição consegue danificar profundamente o sistema de recompensa, que fica sem resposta quando é estimulado por fontes reais de prazer.

É por esse motivo que os consumidores desses materiais têm maior dificuldade em atingir a excitação sem ter o recurso dos conteúdos pornográficos. Seja vendo um filme, imagem ou mesmo lembrando do que assistiram.

Naturalmente, esse dano ao sistema de recompensa leva a progressão de problemas sexuais. Mas não apenas isso. A própria mudança na transmissão da dopamina, que é o neurotransmissor responsável pelo prazer, pode aumentar os riscos do aparecimento de ansiedade e depressão.

Então, o que concluímos do episódio de hoje?

Os conteúdos adultos ajudam e facilitam a excitação, o problema é quando não temos o controle e isso se torna um vício.

Então se você não tomar cuidado você acabará ativando a predisposição para comportamentos compulsivos, doenças emocionais e desejos fora da realidade.
O lado positivo é que esses caminhos neurais que foram criados podem desaparecer caso não sejam reforçados.

Ou seja se você se tornou dependente desse tipo de conteúdo você pode sim se libertar e controlar essa dependência. Utilizando por exemplo o jejum de dopamina, meditação, treinar o auto controle, mas isso é assunto para um próximo episódio.

E aí, gostou do podcast de hoje?

Se você gostou, assine nosso podcast na plataforma que você esta ouvindo, deixe seu comentário, classifique com sua estrela e, no Lembre-se que desta forma consigo saber se o conteúdo que estou fazendo está sendo relevante pra vocês e se de alguma forma ajudo vocês.

E se você gosta dos nossos conteúdos e se eles fazem a diferença na sua vida, no seu relacionamento, então seja um apoiador do Relacionamento Fora da Caixa. Apoie a partir de R$ 9,00 por mês e com isso você e nos ajuda a continuar a criar conteúdos para ajudar casais em todo mundo. E ao se tornar apoiador, você tem acesso a epsisódios exclusivos, livros e conselhos de especialistas.

Para apoiar, acesse o site especialista.site ou pelo instagram institutommacademy

E também no Clubhouse, siga nosso Club Relacionamento “Perfeito”.